O Reino de Deus e Missões

O Reino de Deus e Missões

Ensino

Devemos entender mais profundamente sobre o Reino de Deus e suas conexões com a obra missionária. Jesus e Paulo pregaram fortemente sobre Reino de Deus. Nos dias de hoje, para que missões seja um fundamento prático na igreja, a abrangência do Reino de Deus necessita inundar mais poderosamente nossos corações.

O ponto central da proclamação de Cristo: o Reino de Deus

A ênfase do Reino de Deus se encontra no Novo Testamento. Cristo foi, realmente, um pregador do Reino de Deus. Existem mais de sessenta referências (+ de 60) de Cristo relacionadas ao Reino.

No Antigo Testamento encontramos os seguintes fatos: Deus é o Rei de Israel de uma maneira singular; Deus é o Rei de todas as nações de uma maneira geral; Deus é o Rei de toda a criação de uma maneira providencial. No Novo Testamento temos uma nova dimensão: Deus é o rei do homem interior.

O Reino de Deus nos dias atuais

Necessitamos entender a realidade e a dinâmica do Reino na chamado missionário. Quanto mais o Reino de Deus se manifestar, mais a obra missionária naturalmente acontecerá. Este é um chamado para toda igreja! Todos que nasceram de novo têm dentro de si uma potencialidade do Reino e estão conectados com a obra de Deus de uma forma geral, incluindo, os confins da terra (meditar em At 1.6-8).

O Reino de Deus, especialmente qualitativamente, manifesta-se: 

a. No domínio de Deus no coração do homem. O Reino de Deus está dentro do coração do homem. Quando Deus verdadeiramente governa o coração do homem, o Espírito Santo revela sua vontade e certamente o testemunho pessoal impactará outras pessoas no poder do Espírito (meditar em Rm 12:1-3).

b. No domínio de Deus. O Reino de Deus na igreja. Cristo é o Senhor e cabeça da igreja. Nas epístolas, Paulo usa o conceito de Reino pelo menos umas catorze vezes (14x). Cristo é conhecido como o Senhor da igreja (Ef 1.23; Rm 12,5; Cl 1.18). A Cristo pertence todos os direitos, autoridades e regência na igreja. Quando líderes são realmente liderados e o Espírito Santo se encontra no governo da igreja, a vontade de Deus para o ministério é revelada e a obra de Deus avança, incluindo as nações (meditar em At 13.1-3).

c. No domínio de Deus no mundo. Como tal, embora seja pessoal, o Reino tem profundas implicações sociais através do ministério cristão individual e no impacto geral do Evangelho na consciência da sociedade. A presença do evangelho neste mundo consiste  no julgamento, enriquecimento e na modificação da ordem social. Ele é altamente social no seu impacto geral, controlando todas as relações de acordo com a vontade e o propósito de Deus. Assim, embora ele seja local dentro do indivíduo cristão e da igreja de Jesus Cristo, é universal no sentido de que o Evangelho deve ser pregado a todas as nações e que a igreja deve ser constituída de indivíduos de todas as nações. Precisamos lembrar que, embora ele seja atual dentro do indivíduo, dentro da igreja e do governo providencial de Deus nessa ordem, sua manifestação plena é futurística; primeiro no reino milenar de Cristo na terra sobre todas as nações e, finalmente, na consumação, quando o último inimigo for destruído e o Filho subjugar todas as coisas. O Reino é urgente, progressivo e cataclísmico. Que possamos, debaixo do governo do Espírito, atingir com um testemunho vivo e poderoso também as nações as nações da terra (meditar em Salmo 33.12).

Aplicação pessoal

  1. Deus tem governado em meu coração totalmente?
  2. Estou disposto a abrir mão da minha vida e oferecer meus sonhos a Deus?
  3. Meu testemunho pessoal e o governo do Espírito tem transformado a realidade das pessoal no meu raio de influência?

Nations Help

Queremos convidar você a conhecer mais sobre a Nations Help, uma organização cristã que, através da compaixão de Cristo, socorre crianças altamente vulneráveis nas nações, equipa e influencia a igreja para a transformação da nova geração.Acesse:

www.nationshelp.org 

Referência

Meditações escritas baseadas no livro: PETERS, George W. Teologia Bíblica de Missões. Rio de Janeiro: Casa Bíblica das Assembléias de Deus, 2000, p. 48-52